Tuesday, February 09, 2010

133

'surface'...foi assim que um produtor japa classificou os trabalhos fonográficos dos ditos 'talentos' nativos, envolvidos com a nossa música brasileira...o termo em inglês significa 'superficial', ou seja, apenas a aparência técnica da execução, com total ausência do 'kokoro' (coração), conforme a tese dele.

creio que esse perfil sonoro não seja exclusividade do mercado fonográfico japonês...muitos dos atuais lançamentos em todo planeta comprovam essa tese do produtor...muito virtuosismo que impressiona, mas que pouco emociona.

facilidades tecnológicas ajudam a impulsionar um comportamento mais 'comercial' entre músicos e produtores, botando de lado essa energia de se vibrar junto em uma mesma música...tornou-se praxe em muitos projetos, o músico gravar sua parte, isoladamente, sem a presença dos outros que dividiram aquele mesmo arranjo...há casos, em que o músico recebe o áudio (playback) em outro estúdio pra gravar seu instrumento e cobra por compasso registrado...claro que tudo irá soar 'surface', parecido com um karaokê profissional.

lembro-me de ter assistido uma entrevista, há muitos anos atrás, com a sra.madaglena tagliaferro, em que a pianista dizia evitar gravações em estúdios, justamente, por ser adpeta às imperfeições e contrária às correções que a tecnologia permite...para ela esses 'erros' fazem parte da interpretação do artista.

gravado em estúdio, mas com aquele gostinho de ao vivo, segue uma gravina piramidal...

*curta o som e abraçsonoros

6 comments:

Érico Cordeiro said...

Só sexta prá ouvir, Mr. Seu Pituco-San!
Mas concordo com a pianista - essas gravações em que tudo é muito bonitinho, redondinho, perfeitinho são um saco - pastiche total!
Claro que a qualidade extraída por um RVG dá um prazer danado em ouvir, mas ali o que a engenharia de som faz é permitir que o artista (o astro principal do espetáculo sonoro) exiba a sua competência e que o som que ele produz saia límpido, como em uma performance ao vivo!
Valeu!

John Lester said...

Prezado Mestre Pituco, ouvi dizer que jazz se faz ao vivo. Talvez um pouco, ou muito, em função do que você coloca em seu post. Aqui na Praia de Itaparica costumamos nos reunir, diletantes algozes da tonalidade, em discretas jams caseiras. E a coisa tem aquele sabor e aroma de feijoada caseira.

Gostei bastante de seu player. Creio que será inevitável plagiá-lo. Grande abraço, JL.

pituco said...

érico san e master lester,

benvenutos ao rancho virtual...sempre bom e oportuno receber vossos pertinentes pitacos...arigatô

sim,érico,
concordo contigo...a máquina a favor da arte...embora,o 'toque' do pianista nas teclas, ou de um cellista nas cordas, nunca poderá ser 'camuflado'...essa energia é que faz a música, não é verdade?

master lester,
minha dieta não permite rigores como uma feijoada,mas fiquei com 'áqua na boca' em, numa oportunidade futura,experimentar essas 'jams' em itaparica...e por favor, o player, plagei-lo...rs

abraçsonoros e pacíficos

rogerio santos said...

Pituco, Bingo !
É isso mesmo mestre.
Muito perfeccionismo, muito preciosismo e a alma relegada ao 4º plano. O dinheiro colocando gente sem conteúdo na linha de frente, inclusive da música menos comercial.
Claro que há exceções que conseguem carregar uma coisa e outra, mas é raríssimo.
Tuas palavras parecem as mesmas que ouvi várias vezes da minha mestra Regina Machado.
A interpretação é o mais importante, o que vem da alma não aceita mentira.

Abraços
Rogerio

Paul Brasil (Paul Constantinides) said...

brother Pituco
ano passado. levando um papo com o Antonio Adolfo ele me falou quase q exatamente o q vc expoe ai.
sobre a gravação a distancia, cada pessoa de uma parte do mundo mandando um pedaço da musica...para depois colocar tudo junto.
Ele disse que pode ser mais eficiente, etc...mas não há emoção.

abs
paul

pituco said...

poeta e paul,

benvenutos a bordo...
bacana saber que a galera está sintonizada no que a música tem de melhor...a sinceridade estética na interpretação...vibrar uma sensação, mesmo com a mais técnica das regências.

é isso aí,
obrigadão pelos relatos aqui
abraçsons com neve...rs